19 novembro 2007

Um Poema de Giancarlo Huapaya

Nosso querido Huapaya (ou Papaya como diria AnaR...), mais conhecido como Polisexualzinho, muito gentilmente me deu um exemplar de seu livro, durante o Tordesilhas, que se chama Polisexual e traz poemas sobre o "novo mundo erótico", a indústria pornô e a desconstrução de gênero. Disse ele no lançamento aqui em São Paulo que o livro foi escrito após uma pesquisa de campo profunda! hehehe...



















Mono semisexual

Solo
yacente semidiós semisexual
entumecido corporal con vista para sueños con fantasías de todo lo anterior.

Con el céfiro acordonado con tregua recibiendo por los poros, todo lado.

Cavila quiromancia.
Entregándose al flujo eminente enfunda limo.

Variedad de rostros y peregrinos. Y monosílabos recios labios.

Antologías gotas de vahos
protagonistas hervidos cotidianas de paso
autoformulados en autoservicios para mantener el jadeo en el cuerpo.

Justificación de semis o monos relacíon quídam y mitad.

4 comentários:

Thiago Ponce de Moraes disse...

Julinha,

Bom ver que atualiza o blog agora diariamente (ou quase). Isso é sinal, acredito, de que vai lendo bastante e selecionando coisas legais pra gente.

Beijos,

Ponce.

Fábio Aristimunho disse...

Ei, cada a tradução? Eu leio mas não entendo...
Bjo.

Fábio Aristimunho disse...

"cadê"

vinicius baião disse...

Julia,
tb quero a tradução....
beijos